sexta-feira, fevereiro 13

Tristeza xenófoba

É o tipo de tristeza revoltante que embrulha o estômago, pra mim especialmente que estudo as migrações, escuto e aprendo com histórias de migrantes. O caso da brasileira agredida na Suíça - "supostamente por um grupo neonazista", como diz a mídia - é daquelas situações que põem em xeque tudo o que acreditamos e pelo qual trabalhamos. No lugar do aprendizado da diversidade, o ódio rascista. Intolerância, dizem, embora essa não seja a palavra adequada, porque gostaria que não precisássemos tolerar a diferença, mas conviver com ela.

Pior. Um bando de loucos com a cabeça raspada e muito rancor dentro dela sair por aí fazendo maldades, infelizmente, encontramos em toda a parte. Agora a polícia suíça dizer que pode ter sido automutilação... Isso sim ultrapassa o limite de qualquer política de respeito ao ser humano.

Abaixo cartazes de campanhas contra os "criminosos imigrantes". Xô, ovelhas negras! A primeira é do SVP-UDC (Partido Popular da Suíça) - as mesmas siglas marcadas no corpo da brasileira. Tirei daqui. A segunda circula na lista da APEC e mostra uma campanha parecida feita em Sevilha, na Espanha.


Um comentário:

Danni disse...

tbm fiquei super chateada qdo li que a policia suíça disse que foi auto-mutilação e que ela não estava gravida...
a que ponto chegamos?

não consigo entender o que leva alguém a nao gostar de outra pessoa simplesmente porque esta nao nasceu no mesmo solo que a primeira...

coisa mais... burra!

beijos, profe!